Ferramentas para a Leitura de Ambientes

Legenda

A análise da superfície terrestre, em determinada escala, revela diversos conjuntos relativamente homogêneos, oriundos das variações climáticas, litoestruturais, topográficas, hidrológicas, pedológicas e florísticas. Esses conjuntos formam paisagens naturais com diferentes potenciais ecológicos. Nos ecossistemas tropicais, a variação de ambientes é muito grande. Normalmente, dentro de um domínio ecológico é comum o aparecimento de compensações ou fatores limitantes. Tais aspectos tornam mais relevantes os estudos sobre delimitações de ambientes homogêneos em escalas maiores. Os conhecimentos detalhados sobre os potenciais ecológicos dos ambientes possibilitam a geração de estratégias para uso sustentável dos recursos naturais. Desse modo, tem-se como exemplo, o reconhecimento e proteção dos ecossistemas mais frágeis, identificação de áreas com maior potencialidade para usos diversos, bem como um eficiente monitoramento regionalizado das formas de ocupações antrópicas das terras (NACIF et al., 2003).

De acordo com Resende e Couto (2015), a paisagem quase sempre desperta o desejo de entender o que ela mostra, de interpretar o que se vê. Numa leitura superficial, algumas características do ambiente analisado podem levar a perceber algo dos padrões de uso da terra.

Em ambientes afetados por atividades da mineração a avaliação da paisagem, ou seja, a leitura do ambiente, tanto natural quanto impactado, é primordial para a identificação de metas a serem atingidas no processo de recuperação e regeneração ambiental, bem como dos processos de degradação instaladas e dos impactos ambientais decorrentes.

Para o monitoramento ambiental em áreas em processo de recuperação, a observação produz dados de qualidade, os quais geram informações valiosas. As informações derivadas do conhecimento levam ao aprimoramento do conhecimento do problema/situação, o que melhora a precisão do processo de tomada de decisão (Santos 2017).

O primeiro passo dentro desse processo é o da sensibilidade ou da percepção que é o procurar enxergar os fenômenos naturais ou artificiais, tais como a cor da água do lago, do céu, o sentido do vento, a cor dos solos, dos animais, do tamanho da propriedade, isto é, tudo aquilo que está ao nosso redor. Após este primeiro passo, o segundo é o da interpretação. No caso, agora é preciso após o processo de perceber as diferentes nuances da natureza, interpretar o que ela nos ensina. O terceiro passo seria a aplicabilidade do conhecimento (LANI et al., 2013).

Existem diversos instrumentos para se estudar a percepção ambiental a exemplo de: questionários, mapas mentais ou contorno, representação fotográfica, análises de desenhos e frases; palavra-chave; construção de matrizes, questionário em forma de trilha, dinâmicas e observações em campo e fichas para reflexão (SILVA e LEITE, 2008; CARVALHO et al., 2012; RESENDE e COUTO, 2015). A seguir, serão apresentadas algumas ferramentas que podem auxiliar no processo de obtenção do conhecimento sobre o ambiente natural e impactado e, consequentemente, na identificação de medidas que possam auxiliar na manutenção e preservação dos ambientes naturais bem como na recuperação e manutenção de condições mínimas de qualidade dos ambientes impactados.

## Levantamentos de dados e de informações sobre o ambiente

Como atividade inicial para obtenção de informações sobre o ambiente a ser estudado ou avaliado, é imprescindível o levantamento e interpretação de dados sobre o meio físico e biótico, de imagens, de fotografias e, ou de mapas que caracterizem a paisagem local. Aspectos relacionados ao clima, relevo, geologia, fauna, flora, hidrologia, solos, dentre outros, são fundamentais para o entendimento global sobre as características locais.

De acordo com Santos (2017), a identificação e caracterização da área degradada pela atividade de mineração envolve a mensuração por meio de diversos parâmetros, tais como: mapeamento, visando delinear a extensão das áreas sob degradação ambiental direta e indireta; investigações geológicas e geotécnicas realizadas em campo e laboratório, buscando obter informações sobre os parâmetros essenciais para a restauração sustentável para os estratos susceptíveis que influenciam na restauração; investigação meteorológica e climatológica para avaliar a influência na poluição atmosférica e da água a partir de dados normalizados sobre o clima; condições hidrológicas incluindo a quantidade, qualidade, movimento e armazenamento de água acima e abaixo da superfície; condições topográficas em torno dos locais perturbados que também influencia os planos e práticas de recuperação; condições do solo incluindo a capacidade de retenção de água, controlada pelos fatores combinados de textura, agregação, densidade aparente e sobre toda a profundidade; condição da vegetação, incluindo a qualidade, quantidade e diversidade de vegetação local.

A análise de campo é uma importante etapa em levantamentos do meio físico e biótico e tem como objetivo detectar as variações da paisagem, compreendendo particularidades fisiográficas, tais como geologia, geomorfologia, vegetação, drenagem superficial e uso atual do solo.

Por meio da analise de topossequências em campo, é possível estabelecer correlações de solos e suas variações com as superfícies geomórficas em que ocorrem. Neste caso, é possível estabelecer correlações entre classes de solos, textura, drenagem, profundidade, declive, comprimento e forma de pendentes, posição e exposição dos solos em relação às encostas, sendo este método o mais apropriado para a execução de levantamentos pedológicos detalhados. Ainda segundo os autores, pelo método do caminhamento livre, profissionais experientes usam o próprio julgamento, a fotointerpretação e a correlação para localizar os pontos de observação e amostragem, em locais representativos, de modo a fornecer o máximo de informações para o mapeamento e caracterização dos solos. Obviamente, este método pode ser adaptado à caracterização do ambiente em geral, visando a caracterização de diferentes componentes (SANTOS et al., 1995).

Na investigação de campo, o uso de indicadores ambientais pode ser utilizado para auxiliar na estratificação e reconhecimento de ecossistemas. Neste caso, segundo Resende et al. (2014), os critérios para estratificar os ecossistemas devem levar em consideração os seus componentes. Vegetação, ou plantas indicadoras, e solos, incluindo a sua forma externa ou relevo, são os principais, em nível de detalhe.

Em caso de ausência de levantamentos de solos mais detalhados, a estratificação do solo localmente a partir de indicadores ambientais, tem grande importância prática no sentido de facilitar a campo o reconhecimento das classes de solo ou de atributos importantes para o seu uso e manejo (LANI et al., 2013).

Os indicadores físicos, químicos e biológicos são muito importantes no monitoramento e avaliação do meio ambiente, devendo ser sensíveis o suficiente para detectar pequenas variações no sistema. Tais indicadores devem integrar propriedades e processos físicos, químicos e biológicos e representar propriedades ou funções do ambiente que são mais difíceis de serem mensuradas.

As informações geradas pelo monitoramento ambiental podem ser usadas para definir a estratégia de manejo e preservação em longo prazo dos recursos naturais; proteger e preservar a vida humana, animal e vegetal; proteger os mananciais; a qualidade do ar urbana; acompanhar as espécies ameaçadas e a biodiversidade (SANTOS, 2017).

## Fichas para reflexão

Este item foi elaborado a partir de documentos produzidos pelo professor Mauro Resende, idealizador das fichas para reflexão, juntamente com os seus colaboradores. Para maior conhecimento e, ou para sanar possíveis dúvidas sobre a interpretação ou elaboração das fichas para reflexão, sugere-se consulta aos seguintes materiais: Resende et al. (2003) e Resende e Couto (2015).

As fichas para reflexão são materiais didáticos em constante desenvolvimento e podem ser utilizados, segundo Resende e Couto (2015), na releitura de paisagens, fotos, gráficos, dados e até frases; como um estímulo na identificação de informações (proposições) pelo uso de perguntas gradativas. As perguntas sequenciais procuram guardar vinculação de contradição ou confirmação entre elas (lembrando, de certa forma, o Ensino Programado). Ainda segundo os autores, as Fichas para Reflexão visam, ao mesmo tempo, identificar informações sobre as partes, e, simultaneamente, estimular a associação de ideias de forma lógica, consistente. O método é essencialmente, um dirigir de observações sequenciais, num encadeamento tal a criar um modelo conclusivo. A particularidade é que essas observações são induzidas através de perguntas sequenciais, levando ao uso da argumentação para chegar a conclusões consistentes (lógicas).

Como exemplo, apresenta-se abaixo modelo (Figura 6.1) proposto em trabalho ainda não publicado por Resende et al. (no prelo) e um modelo construído (Quadro 6.1), adaptado para questões ambientais ligadas a área de mineração.


Figura 6.1: Ficha para reflexão: Poluição Industrial. Fonte: Resende et al. (no prelo).

Quadro 6.1: Ficha para reflexão: Exploração de cascalho.
## Análise ambiental com geoprocessamento

Como vimos ao longo do texto, a Leitura de Ambientes é um exercício que reúne uma grande diversidade de dados e informações geográficas com o objetivo de orientar a tomada de decisão sobre o uso, manejo, conservação e recuperação dos recursos naturais, implicando uma avaliação dos aspectos físicos, biológicos, sociais e culturais. Neste sentido, as técnicas de geoprocessamento são bastante úteis, uma vez que oferecem diversas ferramentas para o levantamento, organização, integração e análise dos dados espaciais (ARAUJO, 2017).

O geoprocessamento abrange um conjunto de tecnologias como os Sistemas Globais de Navegação por Satélite (GNSS), que permitem o cálculo da localização geográfica, por meio dos conhecidos equipamentos de navegação por satélite, amplamente denominados de “aparelhos de GPS”, atualmente muito acessíveis, estando, inclusive disponíveis nos aparelhos de celular.

Do mesmo modo, as tecnologias de Sensoriamento Remoto, especialmente por meio de imagens de satélite alcançaram grande popularidade e acessibilidade, desde a implantação de plataformas globais, a exemplo do Google $\text{Earth}^{R}$. Finalmente, os Sistemas de Informações Geográficas possibilitam o armazenamento, a integração e análise dos dados, sejam os dados primários coletados em campo, sejam os dados secundários obtidos por meio de pesquisa bibliográfica ou por meio das plataformas de SIGWEB que disponibilizam uma grande variedade de dados (ARAUJO, 2017).

A identificação e caracterização das áreas degradadas pela atividade de mineração envolve o levantamento e mensuração de diversos parâmetros por meio de tecnologias diversas. Neste contexto, o mapeamento permite delinear a extensão das áreas sob degradação ambiental direta e indireta.

A leitura e/ou produção de mapas são etapas de grande auxílio na Leitura de Ambientes, tanto em uma etapa preparatório para as atividades de campo, quanto nas etapas subsequentes de análise e produção dos relatórios finais e, assim, as técnicas de geoprocessamento são de grande utilidade os trabalhos a serem realizados em diversas áreas do conhecimento.